INICIO

Hoje trazemos mais um artigo especial e histórico. Dessa vez traremos um artigo sobre as damas de companhia de Mary Stuart, e em qual delas as personagens da série podem ter sido inspiradas. As personagens da série serão usadas principalmente para “ilustrar” cada uma, já que algumas não possuem retratos.

Apesar de tudo, Marie de Guise procurou dar a sua filha(A Rainha Mary) uma infância feliz, e designou quatro meninas para fazer companhia a rainha e depois, serem suas damas.  Todas as damas tinham idades semelhantes a da Rainha.

Todas se chamavam Mary, e eram conhecidas com The four Marys(As Quatros Marys). O nome Mary era bem comum na época, por ser um nome cristão e por fazer homagem a Rainhas. Houve também – deliberadamente ou não – um trocadilho na escolha das meninas, por todas se chamarem Mary. Porque Mary, como “marie” é a palavra escocesa para uma empregada doméstica, derivada da Islândia ‘maer’ .

1

Mary Seton

Foi a Lady mais fiel de Mary. Ela nunca se casou e ficou 15 anos acompanhando a sua rainha quando estava presa. Em 1583 se retirou do confinamento e foi para um convento na França, pois sua saúde estava debilitada. Ela viveu para ver o filho de Mary, James, herdar o trono inglês, antes de falecer em 1615.

Na série – Greer aparentemente retornará a Escócia para apoiar sua rainha, sendo a única Lady restante. A personagem fictícia se casou e engravidou mas assim como Seton, Greer foi a que permaneceu à serviço de sua rainha por mais tempo.

 

 

2

Mary Livingston

Pouco se sabe sobre sua vida. O que mais se conhece sobre ela são os boatos a respeito de seu casamento e os comentários de John Knox a respeito do mesmo.
Dizem que ela se casou grávida, boato que foi espalhado pelo próprio Knox, com o objetivo de difamar a corte da rainha Mary. A família de Livingston se recusou a arcar com as despesas do casamento então a própria rainha precisou intervir, defendendo sua amiga. Na corte, ocupava a posição de “guardiã das joias da rainha”.

Na série – Livingston foi comparada à Lady Aylee, mesmo a personagem tendo morrido logo nos primeiros episódios. Talvez a maior semelhança que exista entre elas seja o fato de ser a Lady menos conhecida.

 

5

Mary Beaton

Era a Lady mais bonita de Mary, segundo registros históricos. Tinha cabelos longos e lisos e olhos escuros.
Na Escócia, ela supostamente teve um caso com Thomas Randolph, embaixador inglês que planejava destruir Mary Stuart. Beaton não aceitou o pedido de Randolph para espionar sua rainha. Acredita-se que na verdade, Mary pediu para que ela se envolvesse com ele e descobrisse os planos dos ingleses contra ela.
Ela se casou com um nobre escocês e teve um filho, James.
Depois que Beaton morreu, seu marido casou-se com Lady Jean Gordon que foi dispensada pelo Conde de Bothwell para se casar com Mary Stuart.
O autor Adam Blackwood acredita que as cartas forjadas para incriminar Mary Stuart do assassinato de Darnley (Casket Letters) podem ser na verdade cartas pessoais de Beaton, que tinha uma caligrafia semelhante à da Rainha.

Na série  – Kenna, assim como Beaton, chamava atenção pela sua beleza (cabelos lisos e olhos escuros) e usava da sua sensualidade para conseguir informações úteis à sua rainha.

 

3

Mary Fleming

Ela era prima de Mary Stuart (sua avó era uma amante do avô da Rainha dos escoceses). Sua mãe, Lady Janet Stewart, a acompanhou na sua viagem a França e na corte teve um caso com o rei Henry II e engravidou, mas foi enviada de volta a Escócia por Catherine de Medici.
Mary Stuart retornou a Escócia com suas damas depois de ficar viúva. Na corte escocesa, Fleming e cortejada por William Maitland de Lethington, secretário da rainha que ajudou a conspirar contra a mesma.
Ela jamais ajudou seu marido conspirador, mesmo estando em um ambiente corrompido.
Fleming e seu marido foram presos após o levante contra Mary Stuart mas enquanto ela foi liberta,
seu marido Maitland morreu. Ela cuidou de seus dois filhos (James e Margaret) sozinha.

Na série – A mãe de Lola não foi amante do rei e ela não era prima de Mary mas o que a aproxima da figura histórica é a lealdade. Mesmo o marido de Fleming sendo um conspirador, ela nunca planejou nada contra sua rainha e sempre tentou protegê-la, mesmo que tivesse que se arriscar para isso.

Exclusivo Adelaide Kane Brasil. Não reproduza!






layout criado e desenvolvido por flávia - Todos os direitos ao Adelaide Kane Brasil